ISP Saúde Blog
pedra-no-rim-calculo-renal

Cálculo renal pode levar à perda do rim

Na maioria dos casos, 85% das pessoas conseguem expelir as pedras naturalmente pela urina. Nos casos graves porém, alguns cálculos chegam a entupir os rins, causando a perda irreversível da função renal.

Em 20% dos casos de pedra no rim, há um risco real de o paciente desenvolver insuficiência renal crônica. Desses pacientes, 5% podem evoluir para diálise, com perda dos rins em alguns casos. E as mulheres correm maior risco de chegarem a essas situações extremas.

O alerta é de especialistas do Centro de Referência em Saúde do Homem (São Paulo) e da SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina).

“Pesquisas mundiais já mostraram que 10% da população poderá ter pedra nos rins. O tratamento adequado e a prevenção podem diminuir as chances do paciente evoluir para perda total da função renal”, salienta o urologista Fábio Vicentini.

Vicentini explica que as pedras podem comprometer o funcionamento do rim ou pela obstrução e infecção ou até mesmo em razão da complexidade da cirurgia para a retirada de determinados tipos de cálculos.

Prevenção das pedras nos rins

Segundo Vicentini, para prevenir o aparecimento de cálculos nos rins é primordial aumentar a ingestão de líquidos, como água (cerca de dois litros ao dia) e sucos de frutas cítricas.

A maneira mais fácil de monitorar a hidratação ideal do corpo é observar a coloração da urina.

“Quanto mais transparente a urina estiver, melhor. A urina com aparência amarelada e escura dá sinais de que o corpo precisa de mais líquidos para manter-se hidratado e longe dos cálculos renais”, orienta o especialista.

Consumir diariamente verduras, legumes, frutas e saladas e diminuir a ingestão de sal nos alimentos também fazem parte dos cuidados para evitar o aparecimento de pedras nos rins.

“Os frutos do mar, por exemplo, ainda contêm altas doses de ácido úrico, um dos responsáveis pelo desenvolvimento dos cálculos renais. É importante também considerar a redução de frituras e carne vermelha”, finaliza o urologista.

Fonte: Diário da Saúde

Postado em: Geral
Compartilhe:

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *